O que é talento em duas rodas?

O que é talento em duas rodas?

É fácil usarmos a palavra talento para definir alguns pilotos, no entanto, podemos estar a cometer um erro de perceção.

A sobre utilização e pouca definição na utilização da palavra pode gerar problemas complicados de controlar, pelo que se torna importante saber como e quando o fazer.

Hoje vamos definir claramente o que é talento, como o identificar, e como o maximizar. 

VÁRIOS TIPOS DE TALENTO 

É normal e natural ouvir que este ou aquele piloto são talentosos, mas o que é que isso quer exatamente dizer?

Se formos ver, diz o dicionário que talento é uma aptidão natural, ou adquirida.

Tendo isso em conta, estamos a assumir que o piloto em questão é naturalmente bom, ou trabalhou para adquirir esse talento?

Essa distinção torna-se à cabeça importante de definir pois as implicações de uma e da outra são completamente distintas.

Se uma denota uma capacidade natural para algo, outra denota um talento especial na ética de trabalho.

 

Ética de trabalho deve começar a ser fomentada e trabalhada cedo, mas sem drenar o atleta. Imagem via offroad.ae
Ética de trabalho deve começar a ser fomentada e trabalhada cedo, mas sem drenar o atleta.
Imagem via offroad.ae

 

E sim, digo talento na ética de trabalho porque de facto existem diferentes tipos de talento e compreender as suas diferenças é chave para os maximizar.

Existe talento em ser dedicado no treino físico.

Existe talento em ler linhas.

Existe talento em saber lidar com a pressão competitiva e mediática.

Existe talento no saber quando é altura de dar aquele bocadinho mais, ou tirar a mão do acelerador para se poder voltar à luta no dia seguinte. 

Existe talento em saber quais são as nossas limitações e forças.

Por isso, antes de tudo, temos de nos tornar mais claros na nossa definição de talento para não criar confusões e saber ao que nos estamos a referir.

TALENTO TÉCNICO

Se há situação recorrente no mundo do desporto são atletas tecnicamente talentosos que deram por si a conseguir somente alguns anos como profissionais de alto nível.

Há sempre quem fique surpreendido quando isso acontece, no entanto, se aplicarmos o conceito de que existem vários tipos de talento, rapidamente temos uma melhor compreensão do que pode ter acontecido.

Um campeão, ou qualquer outro profissional a competir ao mais alto nível é definido por vários pontos distintos que vão muito além da sua capacidade técnica natural.

 

Técnica é primordial, mas é só um dos pontos de tudo o que faz um atleta profissional de alto nível. Imagem via bikereview.com.au
Técnica é primordial, mas é só um dos pontos de tudo o que faz um atleta profissional de alto nível.
Imagem via bikereview.com.au

 

Capacidade de trabalho, dedicação, preparação física, foco, genética, e tantas mais fatias completam o bolo necessário para se vingar como desportista.

Isto diz-nos claramente que talento técnico é somente um dos pontos a ter em conta, mas um que cria ilusões de grandeza. 

À exceção da componente genética, nenhum ponto é impossível de trabalhar, no entanto, técnica é um dos que mais trabalho dá a levar até um nível elevado.

Com isso em mente, alguém que é tecnicamente dotado desde o inicio tende naturalmente a sobressair-se face aos demais atletas, mas se isso não for trabalhado de raiz, tende a levar o jovem atleta ao engano.

Engano de que esse talento natural vai ser o suficiente para se tornar o próximo campeão do mundo.

Essa ilusão é uma das principais razões pelas quais muitos atletas desaparecem e outros, claramente menos dotados tecnicamente, fazem excelentes carreiras profissionais.

O ÚLTIMO CONTINUA A SER MELHOR QUE A MAIORIA

Vamos assumir por exemplo um piloto que faz muitos pódios, é tecnicamente dotado, mas por o ser tende a não ser tão dedicado ao trabalho, cede facilmente à pressão competitiva quando não está a ganhar, e que tem dificuldade em seguir as regras da equipa e jogar limpo.

Do outro lado temos um piloto que faz menos pódios, é tecnicamente menos capaz, mas compensa essa falha com uma excelente ética de trabalho, é exímio a lidar com a pressão competitiva, e aceita que não é uma vedeta mas uma parte da equipa com quem trabalha.

 

Qualquer piloto é somente parte da equipa sendo a cara da mesma, mas nunca é A equipa. Imagem via adbmag.com.au
Qualquer piloto é somente parte da equipa sendo a cara da mesma, mas nunca é A equipa.
Imagem via adbmag.com.au

 

Qual é que vocês acham que terá o futuro mais promissor, ou simplesmente, qual terá mais probabilidade de ter um sólido futuro profissional?

Consistência é primordial para se conseguir patrocínios, apoios, e mesmo a nível pessoal manter a confiança para continuar, e isso não passa obrigatoriamente por vencer todas as corridas.

Se se perguntar a um amante de MotoGP o nome de todos os pilotos que estiveram na linha de partida no ano passado, muitos irão começar a ter dificuldades assim que os nomes de topo forem enunciados, e pessoalmente não culpo ninguém por isso.

Afinal de contas, grandes nomes têm mais tempo de antena por isso é normal esquecer alguns menos citados. 

No entanto, essa realidade torna-se enganadora quanto à qualidade de todo o pelotão.

Nunca nos podemos esquecer que mesmo os pilotos que sistematicamente terminam nos últimos lugares de cada GP, e não nos marcam a memória por serem menos falados continuam a ser dos 22 melhores do mundo.

 

Os 22 mais rápidos do mundo em 2021. Imagem asphaltandrubber.com
Os 22 mais rápidos do mundo em 2021.
Imagem asphaltandrubber.com

 

Perspetiva é chave, e compreender que existem varias camadas na constituição de um campeão e de um excelente profissional é importante quando falamos em talento.

Entre outras, apresentar somente uma ou duas qualidades é uma das razões pelas quais muitas equipas e patrocinadores rapidamente fogem de talentos técnicos naturais ao verem as falhas que apresentam no resto.
 

FAZ O TEU PLANO DE BATALHA 

Um dos grandes problemas de trabalhar e evoluir sem acesso a ajuda profissional quando se quer vingar em competição é exatamente a perda de perspetiva geral do que faz um bom piloto. 

Aceitando que talento natural não chega, temos então de compreender o que é necessário.

Se um claro amor pelo que se faz, a ética de trabalho, e outros tantos pontos são essenciais para dedicar anos de compromisso ao desporto, eu diria que é igualmente primordial fomentar uma componente que ainda poucos trabalham.

 

Motivação, capacidade de trabalho e tudo mais vêm de um bom ambiente de trabalho e de uma excelente preparação emocional. Imagem via usmca.orgMotivação, capacidade de trabalho e tudo mais vêm de um bom ambiente de trabalho e de uma excelente preparação emocional.
Imagem via usmca.org

 

Essa componente é a estabilidade emocional, que para mim deve estar na frente de qualquer treino, nem que seja pelo impacto que tem nas demais áreas. 

Um atleta capaz de lidar tão bem com derrotas como com vitorias é um atleta que tende a ser seguro das suas capacidades.

Isso significa não culpar o tempo, a mota ou o vento que soprava de leste após perder uma corrida.

Lidar bem com derrotas permite aceitar o erro pessoal, e rapidamente poder analisar o que aconteceu para se conseguir aprender e fazer melhor da próxima vez.

Como bónus, acaba por se ter uma atitude mais positiva que faz do atleta menos um alvo a abater por parte do resto do pelotão durante qualquer corrida.

O nosso saudoso Paulo Gonçalves é um excelente exemplo de quem pela atitude humana com que via a competição fez dele um dos pilotos mais amados e aclamados da sua geração, dentro e fora da pista.

 

Não conseguir lidar com emoções e não respeitar os outros em pista leva a situações complicadas. Imagem vim racerxonline.comNão conseguir lidar com emoções e não respeitar os outros em pista leva a situações complicadas.
Imagem vim racerxonline.com

 

Um atleta emocionalmente forte têm mais capacidade de lidar com ansiedade e pressão, e isso permite um foco totalmente diferente quer em treinos quer em corridas.

Entre estes e outros benefícios que poderiam ser enunciados torna-se evidente porque devemos promover treino emocional, e como este ingrediente da receita que faz campões deve estar no plano de qualquer atleta.

Talento natural ajuda muito, capacidade de trabalho é crucial, e saber escolher as melhores linhas é quase como fazer batota, mas ter o talento emocional para lidar com o desporto como um todo faz a diferença entre conseguir evoluir até aos mais altos níveis, ou ficar pelo caminho.

Por isso garante que treinas mais do que técnica, que vez o teu lugar competitivo com perspetiva, e que garantes que a tua luta é primeiro contigo, e só depois com todos os outros que estão ao teu lado na grelha de partida.

 

Your riding buddy is trying to kill you!


Leave a comment

Please note, comments must be approved before they are published

EN
English